terça-feira, abril 13, 2021

A cidade inteligente: Tecnologias urbanas e democracia

Todos queremos cidades com serviços eficientes e baratos que melhorem o transporte, a saúde, a moradia, a educação etc. Mas a questão é como evitar que nossas cidades se tornem máquinas de precarizar trabalhadores, beneficiando apenas a interesses privados.

A smart city – essa “grife” que se tornou a cidade repleta de serviços de empresas Big Tech – se mostrou muito mais funcional, otimizada e controlada do que participativa, sustentável e justa. Como contraponto a esse sistema neoliberal, os especialistas em tecnologia e seus impactos socioeconômicos Evgeny Morozov e Francesca Bria oferecem uma série de exemplos e estudos de caso de formas de gestão cooperativa.

Por exemplo, as cidades de Amsterdã e de Barcelona, por meio do projeto Decode, iniciado em 2017, buscam implementar uma infraestrutura descentralizada de dados que devolve o controle sobre as informações aos cidadãos e oferece soluções de gerenciamento de dados flexíveis e atentas à privacidade.

De forma similar, o programa Datacités, lançado em 2016 em Paris, aborda o tópico do direito dos cidadãos a dados como bens públicos por meio do envolvimento de todas as partes interessadas no processo.

O programa também incentiva modelos alternativos para serviços urbanos nas áreas de mobilidade, energia e controle de resíduos com base na concepção de dados como recursos públicos. Para Morozov e Bria, retomar o controle sobre tecnologias, dados e infraestruturas é imprescindível para a gestão cooperativa da cidade inteligente do futuro – democrática e inclusiva.

Sobre o Autor

Pesquisador e escritor bielorrusso, estudioso das implicações políticas e sociais do progresso tecnológico e digital. Se formou pela American University in Bulgaria, viveu alguns anos em Berlim e se mudou para os Estados Unidos. Já colaborou com veículos americanos como The New York Times, The Economist, The Wall Street Journal, Financial Times, London Review of Books, Times Literary Supplement. E alguns de seus artigos foram publicados também por jornais internacionais, como El País e Folha de S. Paulo. Foi nomeado um dos 28 europeus mais influentes pela revista Politico em 2018.

Formada em Ciências Sociais e Econômicas na Sapienza Università di Roma, Francesca é mestre em Economia Digital pela Universidade de Londres, Birbeck (2009), e PhD em Inovação e Empreendedorismo pela Imperial College de Londres (2012). Como líder de projetos da agência britânica de inovação Nesta, conduziu a D-Cent de 2013 a 2016, a maior iniciativa em democracia digital e em moedas digitais da União Europeia. Desde 2012, lidera o projeto DSI de inovação social digital na Europa e, desde 2017, está à frente do projeto Decode em defesa da soberania sobre dados na Europa.

É conselheira na Comissão Europeia sobre políticas de Internet do Futuro e Inovação, além de Comissária de Tecnologia e Inovação Digital na Cidade de Barcelona, na Espanha. Francesca dá aula em universidades no Reino Unido e na Itália e vem auxiliando governos, organizações públicas e privadas e movimentos ligados às políticas de tecnologia e seus impactos socioeconômicos. Seu trabalho se volta a uma das questões-chave de nosso tempo: como podemos devolver às pessoas a propriedade sobre dados? Francesca foi citada na lista da revista Forbes das cinquenta mulheres mais importantes em tecnologia e na seleção das vinte pessoas mais influentes em governos digitais elaborada pela plataforma Apolitical. Também constou na lista das cem mulheres que estão mudando o mundo na revista italiana Repubblica D.

Doutorando pelo Programa de Ciências Ambientais do Instituto de Energia e Ambiente da Universidade de São Paulo. Líder do programa de direitos digitais do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor. É Mestre em Direito e Economia Política pela Universidade de Turim (2016). Mestre em Direito pela Universidade de São Paulo (2014), onde foi coordenador do Núcleo de Direito, Internet e Sociedade (2013) e monitor das disciplinas de Sociologia Jurídica (FD) e Instituições de Direito para Economistas (FEA).

Foi líder de projeto do InternetLab. Foi pesquisador bolsista da Diretoria de Estudos e Políticas do Estado, das Instituições e da Democracia do Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (Diest/Ipea, 2013) e pesquisador bolsista da Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getulio Vargas, onde integrou o projeto Globalization, Lawyers and Emerging Economies (FGV/Harvard, 2013).

Ficha técnica

Editora : Ubu Editora; 1ª edição (11 novembro 2019)
Idioma : Português
Capa comum : 192 páginas
ISBN-10 : 857126046X
ISBN-13 : 978-8571260467
Dimensões : 18 x 12 x 1.4 cm

Link para compra do livro: https://amzn.to/3by4zMY

ACESSE + CONTEÚDOS SOBRE  👇
#TECNOLOGIA  #REDESSOCIAIS  #APLICATIVOS  #LITERATURA
#EVENTOS  #EMPREENDEDORISMO  #FILMES  #SÉRIES  #GAMES

ARTIGOS RELACIONADOS

Instagram

dicas da redação

Loki, Marvel lança novo trailer da nova série do Disney+

Loki estreia em 11 de junho no Disney+ Em Loki, da Marvel Studios, o vilão da mitologia nórdica interpretado por Tom Hiddleston retorna como Deus da Travessura em...

Ampliação de crédito para pequenas empresas industriais

Ampliação de crédito, startup recebe aporte para ampliar crédito barato para pequenas e microindústrias brasileiras Dados do SEBRAE de 2019 apontam que 82% das pequenas...

Dados hospitalares, revolução que se avança no Brasil

Dados hospitalares e sua gestão por Clayton Montarroyos, CEO da IN - Inteligência de Negócios Os impactos positivos das estratégias de Business Intelligence (BI ou...